Não deixe seus livros parados na estante. Troque seus livros com 200 mil leitores. Participe!
Compêndio da Psicanálise (Pocket)
Categoria
ISBN 8525432334
ISBN-13 9788525432339
Edição 1 / 2015
Idioma Português
Páginas 176
Estante 0  0  1   0

COMPÊNDIO DA PSICANÁLISE (POCKET)

Sigmund Freud
78% chance de ser solicitado
L & pm

Sinopse
Iniciado em 1938 e interrompido pela morte de Freud (1856-1939), Compêndio da psicanálise apresenta a derradeira síntese de suas teorias. Publicado em 1940, traz uma breve exposição do funcionamento do aparelho psíquico humano tal como o autor o concebia ao final de sua longa e profícua vida. São abordadas as diferentes qualidades (o inconsciente, o pré-consciente e o consciente) e instâncias psíquicas (o eu, o isso,o supereu), os princípios de prazer e de realidade, a dualidade do impulso de vida e do impulso de morte, o funcionamento e o desenvolvimento da sexualidade humana – incluindo o complexo de Édipo –, a inevitável divisão do psiquismo e mecanismos como o recalcamento e a resistência, além da formação de sintomas e das psicopatologias. Neste esforço final por sistematizar seu pensamento de forma concisa e clara, Freud tece considerações sobre as limitações da psicanálise e demarca os pontos-limite de seu legado a partir dos quais caberia a seus sucessores construir e evoluir. A psicanálise numa casca de noz Em 1938, após quase quatro décadas buscando estabelecer a psicanálise como uma forma revolucionária de conhecer e tratar a alma humana; lutando contra um câncer que se mostraria fatal; às vésperas de uma guerra que se anunciava sangrenta e em meio à crescente onda antissemita, Freud, já com mais de 80 anos, se pôs a escrever o que viria a ser a síntese final de seu pensamento. Não se sabe se a redação foi iniciada ainda em Viena, cidade onde vivera e clinicara, ou já em Londres, onde se refugiara com a família em função da perseguição nazista. Sabe-se, isso sim, que a escrita foi interrompida pela deterioração de sua saúde, e o texto foi publicado apenas em 1940, após sua morte. Na condição de sistematização derradeira da psicanálise por ninguém mais ninguém menos que o criador da mesma, o interesse suscitado pelo Compêndio é incontestavelmente enorme. Mas tal interesse é também multifacetado. Por um lado, a obra fornece uma súmula sobre o aparelho psíquico humano tal como Freud o via após toda uma vida de estudo: trata de seus elementos básicos, as instâncias psíquicas, a dinâmica do psiquismo, seus principais mecanismos, o funcionamento e o desenvolvimento da sexualidade, o papel dos impulsos, os conflitos inerentes à organização da psique humana etc. Por outro, explica a psicanálise como tratamento e faz considerações metapsicológicas, discorrendo sobre os obstáculos que lhe são inerentes e seus consequentes limites. Também serve de baliza para o estudo da obra freudiana, por reunir explanações sobre conceitos abordados de forma esparsa em várias obras e possibilitar um acompanhamento evolutivo das teorias do autor. E, por fim, traz muito claramente as limitações do pensamento de Freud – limites a partir dos quais os pesquisadores que lhe sobrevieram puderam rever a psicanálise e avançar no conhecimento da psique humana. Se está indelevelmente marcado pelas circunstâncias atribuladas em que foi engendrado, o Compêndio também é o resultado de uma conjuntura preciosa: a de, mais de quarenta anos após A interpretação dos sonhos – a pedra fundamental da psicanálise –, com o benefício de décadas de aprimoramento, clínica e pesquisa, o criador da teoria psicanalítica ter se dedicado a rever e dar uma nova expressão à sua grande invenção. Este texto-legado é sem dúvida uma das obras incontornáveis para se entender o alcance da psicanálise. O autor recebeu o Prêmio Goethe em 1930.

Solicitar Tenho Procuro

LIVROS DESSE AUTOR PARA SOLICITAR AGORA
O MAL ESTAR NA CIVILIZACAO

AVALIAÇÃO DO LIVRO

5.0
(2) votos

ADICIONAR REVIEW

Seja o primeiro a fazer um review deste livro. Motive outros a lerêm o livro.

TÍTULOS SIMILARES
V.18 - O Mal-estar Na Freud - Obras Completas O mal-estar na civilização: As obrigações do desejo na era da globalização


QUEM DESEJA ESTE TAMBÉM DESEJA