Diego Silva domingues
Literatura francesa

Recomendações

Sinopse
é, sem contestação, o livro mais famoso de Balzac. Muitos leitores não lhe conhecem senão este único romance. No Brasil como em muitos outros países a "idade balzaquiana" tornou-se expressão consagrada até nos meios incultos.


Bruno Boccia


comentar

Sinopse
Em O lírio do vale, publicado originalmente em 1835, Balzac resolveu debruçar-se sobre uma mulher-protagonista que fosse “possuidora de todas as virtudes”. Assim, ele criou a condessa Mortsauf e seu trágico destino de amar a Félix Vandenesse sem jamais ceder a consumação carnal de seu amor, mantendo-se portanto digna de seu marido, o truculento conde Mortsauf. Um exasperante amor platônico que tem seu destino trágico, como se Balzac quisesse, ao final, expressar seu profundo ceticismo em relação ...


Bruno Boccia


comentar

Sinopse
Emma é uma mulher sonhadora, uma pequeno-bur­guesa criada no campo que aprendeu a ver a vida através da literatura senti­men­tal. Bonita e requintada para os padrões provincianos, casa-se com Charles Bovary, um médico interiorano tão apaixonado pela esposa quanto entediante. Nem mesmo o nascimento de uma filha dá alegria ao indissolúvel casamento no qual a protagonista sente-se presa. Como Dom Quixote, que leu romances de cavalaria demais e pôs-se a guerrear com moinhos, ela tenta dar vida e paix ...


Bruno Boccia


comentar

Sinopse
Em outubro de 2007, uma bomba explodiu no meio editorial francês. Aos 85 anos, o papa do Noveau Roman, Alain Robbe-Grillet, publicou sua nova obra, cuja edição francesa chegou lacrada às livrarias. Um romance sentimental conta a história de Gigi, que, aos 14 anos, recebe uma educação bastante peculiar do pai, com o qual divide a cama. O homem a obriga a ler em voz alta - e nua - textos eróticos do século XVIII. A fim de testar as lições aprendidas pela filha, o genitor a presenteia com Odile, uma ...


Priscilla akao Mori


comentar

Sinopse
O flâneur das duas margens é uma coletânea de crônicas que evocam tempos e lugares da França na belle époque. Em 'A livraria do sr. Lehec', por exemplo, Apollinaire conduz o leitor à atmosfera intelectual de uma livraria cujo dono vendia seus livros às pessoas dignas de adquiri-los. Nos passeios pelas memórias do grande escritor francês - caminhando na calçada, num café de esquina ou em uma conversa informal - nos deparamos com peculiaridades de grandes nomes das artes e da literatura, como Pab ...


Bruno Boccia


comentar


Sua Recomendação




Todas as Perguntas Fazer Pergunta