Não deixe seus livros parados na estante. Troque seus livros com 200 mil leitores. Participe!
Serrote
Categoria
ISBN 8600000378
ISBN-13 9788600000378
Edição 1 / 2012
Idioma Inglês
Páginas 240
Estante 0  0  0   0

SERROTE

Varios
7% chance de ser solicitado
Ims

Sinopse
A revista serrote#11 será lançada na Flip, na Casa do IMS (Rua do Comércio, 13 - Paraty), dia 5 de julho, às 20h30. Depois da festa literária, no dia 11 de julho (quarta-feira), às 20h, a serrote promove, em parceria com a Granta, o bate-papo As revistas literárias hoje. O evento acontecerá no Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro, a entrada é gratuita, com senhas distribuídas a partir das 19h. A matéria de capa da serrote#11 é um ensaio visual no mínimo provocador. Os diversos retratos de um mesmo palhaço fazem parte da série Cabinet, feita pela americana Roni Horn. A artista, que vive entre Nova York e a Islândia, diz que as fotografias dos diversos instantes de um clown podem ser vistas como o reflexo de um “retrato genérico da humanidade” ou como um autorretrato - não dela, mas de quem olha essas imagens em diferentes momentos e com um humor variado. A serrote#11 traz também: - um ensaio exclusivo do colombiano Héctor Abad, que tem encontros frequentes com Joseph Roth (1894-1939). Uma vez por ano pelo menos Abad lê Fuga sem fim, obra prima do escritor austríaco, e imagina estar sentado num café com Franz Tunda, o protagonista, que, bêbado como seu criador, conta a ele sua vida venturosa e fantasiosa. - o espanhol Enrique Vila-Matas traça um perfil da escritora Marguerite Duras (1914-1996) e de sua lição fundamental: “Escreve-se para observar como morre uma mosca”. O ensaio evoca o tempo em que Vila-Matas viveu em Paris, alugando um quarto de Duras. Para ele, a escritora deixa em sua obra a ideia perturbadora de que escrever é tentar saber o que escreveríamos se escrevêssemos.   - em um ensaio de fôlego, o francês Jean-Christophe Bailly define a tarefa do leitor. Para ele, quando lemos, devolvemos ao mundo o sentido que partiu dele para o escritor, do autor para o texto e do livro para nós, num ciclo infinito. O texto de Bailly é acompanhado por fotos que o húngaro André Kertész (1894-1985) fez de diversos personagens entretidos com alguma leitura entre os anos 1950 e1970. - em agosto de 1965, o americano Duane Michals foi até Bruxelas para fotografar René Magritte (1898-1967). No pintor, o fotógrafo - que tinha na época 33 anos - viu um personagem surrealista como o de suas obras e assim o retratou em um dos ensaios visuais presentes nesta edição da serrote. - Vladimir Nabokov (1899-1977) jamais leu Machado de Assis (1839-1908). Mas, se tivesse lido, o russo o teria como referência por conta de suas imensas afinidades, como o gosto pela ficção autoconsciente e o ceticismo. Quem sustenta a tese é um dos maiores especialistas na obra de Nabokov, o irlandês Brian Boyd. Borboletas desenhadas por Nabokov ilustram este ensaio. - há mais de 20 anos, o fotógrafo canadense Robert Polidori registra as sucessivas restaurações do Palácio de Versailles, na França. São algumas dessas imagens que acompanham o texto da escritora inglesa Jeanette Winterson, que afirma que apreciar a pintura deve ser um aprendizado sutil, no qual a correria dos museus dá lugar ao tempo da contemplação. - o ensaísta carioca Francisco Bosco faz um relato de uma viagem ao Tibete. Bosco explica como em rituais, gestos e palavras, o povo tibetano interpela o estrangeiro ao relativizar os valores de progresso e atraso. - John Jeremiah Sullivan, um dos editores da The Paris Review e considerado a grande revelação do ensaísmo americano, traça um perfil de Michael Jackson (1958-2009) e descreve como o rei do pop dedicou-se, de maneira obsessiva, a ser o artista superlativo que, de fato, se tornou. Retratos de sósias do cantor feitos pela fotógrafaValérie Belin em 2003 ilustram o texto.  - a experiência vivida nutre “Peregrinação”, raro texto autobiográfico de Susan Sontag (1933-2004), no qual ela descreve seu encontro com Thomas Mann (1875-1955). Aos 14 anos, Sontag descobriu que o constrangimento é o preço da admiração. Publicado na The New Yorker em dezembro de 1987 e até hoje inédito em livro, esse texto será incluído numa futura edição de contos da autora de Diante da dor dos outros pela Companhia das Letras. - também é sobre um encontro o depoimento do dramaturgo inglês Harold Pinter (1930-2008). No texto Sam ele narra como foi a primeira noite em que viu Samuel Beckett (1906-1989), seu ídolo. A serrote também publica duas cartas escritas por Beckett sobre Esperando Godot, obra que mudou o rumo do teatro mundial. - o texto do escritor Denis Diderot (1713-1784) motivou o antropólogo americano Grant McCraken a criar uma teoria, o "efeito Diderot", para designar as compras de impulso, aquelas que gastamos muito e que acabamos detestando. Em “Lamentações sobre meu velho robe ou Conselho a quem tem mais gosto que fortuna”, Diderot conta como a compra um robe novo fez com que ele se sentisse ridículo e desconfortável. - no “Alfabeto serrote”, Mary Frances Kennedy Fischer (1908-1992) dá dignidade às batatas. A americana reinventou a maneira de escrever sobre cozinha com ensaios, em geral curtos, que misturam história, anedotas e receitas. Já o argentino Alberto Manguel desbrava o ponto final. - Christopher Hitchens (1949-2011) traça um perfil de Karl Marx enquanto jornalista. Da imprensa, o filósofo alemão tirou seu sustento e nela desenvolveu uma visão de mundo complexa em que os EUA eram exemplo de liberdade.

Solicitar Tenho Procuro

LIVROS DESSE AUTOR PARA SOLICITAR AGORA
CONTOS IMPRESCINDIVEIS Historias de outrora historias de agora Espejos de la palabra O Círculo dos Magos Projeto Araribá Ciências: 8º Ano - 7ª Série - Ens. Fundam.

AVALIAÇÃO DO LIVRO

0.0
(0) votos

ADICIONAR REVIEW

Seja o primeiro a fazer um review deste livro. Motive outros a lerêm o livro.


QUEM DESEJA ESTE TAMBÉM DESEJA