Não deixe seus livros parados na estante. Troque seus livros com 200 mil leitores. Participe!

CADASTRE-SE

ARCAISMO COMO PROJETO, O

Manolo /. Fragoso Florentino
(0) votos | (0) comentários

Sinopse
O ARCAÍSMO COMO PROJETO, de João Fragoso e Manolo Florentino, propõe que na passagem do século XVIII para o seguinte (que chamamos aqui de período colonial tardio), os estabelecimentos rurais da colônia, ao não demandarem altos investimentos iniciais, podiam ser expropriados de parcela expressiva de seu excedente pelo capital mercantil e usurário, sem que disso derivasse o seu desaparecimento. Assim, estava dada a pré-condição para, sem maiores riscos, configurar-se uma hierarquia econômico-social cuja base se identificava com os agentes ligados à terra, e o topo com aqueles vinculados às atividades mercantis e prestamistas. Esse é o foco principal de O ARCAÍSMO COMO PROJETO. A natureza estrutural do tipo de hierarquia que se instalou no Brasil, é esclarecida em O ARCAÍSMO COMO PROJETO quando se observa que o acesso a terras e a homens baratos também permitia ao homem livre pobre tornar-se lavrador. Entretanto, desde o início ele se via expropriado de parte da produção social, estando-lhe vedadas as atividades mais lucrativas - as mercantis, sobretudo as vinculadas ao comércio exterior, as quais, desse modo, erigiam-se à condição de campos exclusivos dos agentes detentores de liquidez. Logo, a mobilidade existia enquanto um mecanismo viabilizador da inserção dos agentes no processo produtivo stricto sensu. Uma vez concretizado, tal movimento ensejava a reprodução da diferenciação excludente.João Fragoso e Manolo Florentino são professores do Departamento de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Dentre diversos trabalhos, Fragoso é autor de Homens de grossa aventura, livro que mereceu Prêmio Arquivo Nacional de Pesquisa (1991). Florentino é igualmente autor de vários estudos, dentre os quais A paz das senzalas (em colaboração com José Roberto Góes) e Em costas negras.Sempre suspeitei que a visão de Caio Prado Júnior e Celso Furtado de que o Brasil Colônia era inteiramente dependente da metrópole portuguesa, sem mercado interno, era uma simplificação, que havia na época uma caixa dois, como hoje. Fragoso e Florentino contam que havia no Brasil grande concentração da riqueza nacional, nas mãos de umas 20 famílias.' - Paulo Francis em O Globo'

Categoria
Editora Civilização brasileira
ISBN-13 9788520005347
ISBN 8520005349
Edição 1 / 2001
Idioma Português
Páginas 256
Estante 0  0  0   0
Sua estante
2% chance de ser solicitado

CADASTRE-SE


AVALIAÇÃO DO LEITOR
Já leu o livro? Comente!

Quero comentar sobre este livro